sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

Crônicas, Passageiro: Pobreza é não ter escolha


"Pobreza é não ter escolha", gostou da frase Jô. Olha que interessante, seria uma máxima eu que teria inventado?  Não que eu queira na ambição boba um dia pesquisar no Google e achar lá o nome Pantoja Ramos vinculado ao termo  pobreza é não ter escolha, isso, repito, é bobagem. Interessa-me muito mais provocar alguém para que leia este pseudo ditado, olhe pra cima e repita em voz quase sibilante um "taí, pobreza é não ter escolha", sorrindo e avaliando filosoficamente como fez João Grilo sobre a parte final da sentença proferida por Chicó no Auto da Compadecida: "pois tudo que é vivo, morre, taí?"[1]. Mesmo o sabido João Grilo se surpreendeu com a profundidade proferida pelo amigo.

Tal frase saiu de mim assim sem programação, talvez cuspida de tantas andanças e viajadas de barco pelos interiores da Amazônia. Acúmulo de visões e conversas, diagnósticos socioeconômicos e ambientais sem ficha de entrevistas e sim na base da prosa. Eu vi a fome? Vi. Eu liguei os pontos sobre lugares onde havia exploração sexual de crianças e adolescentes? Sim (Tajapuru). Eu constatei jovens se embriagando e descontando seus traumas nas ruelas em forma de assalto? Constatei. E de tanto caminhar, não sei o porquê de sair a frase, mas saiu: “pobreza é não ter escolha”.

Se olhas para os lados e não tem comida, é a máxima forma de pobreza. É a miséria, hoje orçada quando uma pessoa tem menos de R$136,00 mensais para se manter[2].

Se não tem caderno, se não tem escola, se não tem professor ou professora, ou falta gasolina para o transporte dos estudantes, ou falta merenda para meninos e meninas em plena fase de nutrição do cérebro a partir da boa alimentação; e se não estudei por falta de escolha diante de tantas condicionantes, fiquei pobre.

Se me contundo na bola e vou atrás de um posto de saúde, não encontrando material que me cuide do joelho, nem médico (que até tinha na cidade próxima, mas foi embora pra Cuba), minhas escolhas são limitadas. Sem alternativa a não ser rezar para que Dona Nazaré e seu óleo de andiroba me sejam milagrosos (e são às vezes) enquanto consigo ir para a capital para exames mais minuciosos. Enquanto isso, ando a dor do peso dos anos, capenga de um lado. Contudo, mais capenga é um país com declínio de solidariedade.

Nosso país é midiaticamente pobre de conteúdo, enquanto paradoxalmente milionários seus barões da comunicação. Ou é proposital? Não sei nem se tenho escolha para obter outras formas de informação e conhecimento, pois o que me chega é que a Televisão e os Grandes Jornais são os detentores da notícia. Não, estou equivocado. Não é bem assim, torno-me rico quando pesquiso e encontro muitos profissionais sérios do jornalismo no Youtube e outras páginas da internet. Tenho escolha, só não sabia. Sou pobre neste sentido (as das notícias) até perceber que não preciso ser.

A escolha e seu irmão mais velho e sábio, o Livre-Arbítrio, são elementos que precisamos exercitar. Entender que algumas redes sociais lançam uma falsa sensação de liberdade, provada por A+B nas últimas eleições dos EUA e no Brasil.  Não sou filósofo, mas de tanto estranhar as propagandas e temas que me chegam como se soubessem o que estou assuntando ou tenho preferência, fiquei a desconfiar dos algoritmos, que agridem minhas escolhas livres por meio da captação de meus dados pessoais[3]. Se Espinoza diz que precisamos nos libertar dos nossos sentimentos e sensações para obtermos tranquilidade[4], o volume de informações falsas e induções que mexeram com o emocional dos eleitores brasileiros ideologicamente e na prática culminaram que milhões de pessoas elegessem mandatários provavelmente a não nos trazer paz nos próximos 4 anos e isso já se vê desde o dia 1 de janeiro de 2019. Portanto, devemos monitorar o quanto da modernidade trazida nos aplicativos de celulares nos prejudica em nossa capacidade natural de decidir em favor do bem-estar coletivo. Ou seremos Id-Otas (aqueles que só olham para o próprio umbigo)[5]?.

De tanto viajar e perceber que não sou nenhum técnico genial, mas apenas um apresentador às pessoas de escolhas técnicas e escolhas políticas nas comunidades onde trabalhei, percebi que os resultados destas famílias surgem quando elas entendem possuir opções para jogar com esta ou com aquela carta contra as falhas governamentais. Nada fenomenal, apenas o demonstrar que pode haver uma escolha, uma bomba d´água diferente, uma forma outra de manejar a floresta, uma modalidade fundiária, se planto essa árvore frutífera ou aquela outra, tudo aquilo que possa enriquecê-los na Esperança.

Por fim, penso na pobreza de espírito de algumas pessoas. Que não abrem a mente e o coração para o diverso e o plural. Que internamente estão com a porta fechada para as possibilidades do pensamento humano e para outrem. Que aboliram o debate, que é canal de alternativas. Um país mais pobre do que nunca em diversas áreas se não nos mobilizarmos.


Pobreza é a falta de Escolha.










[1] “É verdade; a cachorra morreu. Cumpriu sua sentença, encontrou-se com o único mal irremediável, aquilo que é a marca do nosso estranho destino sobre a terra, aquele fato sem explicação que iguala tudo o que é vivo num só rebanho de condenados, porque tudo o que é vivo, morre...”.
[2] Veja o cálculo feito com bases em estudos do Banco Mundial em https://www.valor.com.br/brasil/5446455/pobreza-extrema-aumenta-11-e-atinge-148-milhoes-de-pessoas , o qual me fez denunciar a Emenda Constitucional 95 como um ato contra a população mais pobre em https://meioambienteacaiefarinha.blogspot.com/2018/05/sobre-os-repasses-federais-aos.html
[4] Recomendo a leitura do livro “O Mundo de Sofia” para entender de maneira didática Espinoza e outros pensadores consagrados da Filosofia.
[5] Mário Sérgio Cortella comenta este termo em seu vídeo publicado na página https://www.youtube.com/watch?v=XjpHBYLwL8Q






sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

Crônicas do Corte: E o Serviço Florestal Brasileiro foi parar no MAPA...




Carlos Augusto Ramos[1]
Pollyanna Coêlho de Sousa[2]


O Serviço Florestal Brasileiro (SFB) até o final de 2018 era uma unidade vinculada ao Ministério do Meio Ambiente. Desde a sua criação em 2006, por meio da Lei 11.284 de Gestão de Florestas Públicas, tem objetivado “a missão de promover o conhecimento, o uso sustentável e a ampliação da cobertura florestal, tornando a agenda florestal estratégica para a economia do país”[3].

Um dos pilares iniciais do SFB foi a implantação das chamadas concessões florestais, contratos que permitem a exploração de madeira por empresas em florestas públicas. Tais permissões só ocorrem após passarem por um processo licitatório em que prevalecem o melhor preço pago ao Estado Brasileiro pela extração da madeira em pé, melhor plano de manejo florestal e melhores estratégias de beneficiamento dos produtos florestais madeireiros e geração de empregos nos lugares onde é implementado. Ao contrário do que se previa, tendo por base as denúncias de que poderia ser uma maneira de privatização da floresta,  gerou um amplo debate e operacionalização do uso florestal promovido pelo Estado Brasileiro. Antes da lei 11.284, as empresas entravam em qualquer área pública, exploravam, criavam o conflito e se retiravam, quase nada a deixar em termos de arrecadação para os cofres públicos. Não que isso não ocorra hoje em dia, porém, é matéria resolvida na lei que toda exploração madeireira empresarial em florestas públicas sem plano de manejo e sem gerar arrecadação é crime ao meio ambiente e ao tesouro[4].

Hoje cerca de 1,018 milhões de hectares estão destinadas para 12 concessões federais em regime de manejo florestal que respeita os ciclos de corte[5]. Em 2017, segundo o relatório de monitoramento do SFB, arrecadaram-se 6 milhões de reais[6] de um total de 174 mil metros cúbicos explorados, valores repartidos entre a União, Estados e Municípios.  Para se ter uma ideia de escala de valores, no mesmo ano de 2017, o município de Portel-PA, Marajó, segundo estudos do IBGE/PEVS[7], movimentou cerca de 217 milhões de reais a partir da comercialização de 990 mil metros cúbicos de madeira em 2016.  Quanto poderia arrecadar Portel se considerado o Imposto Sobre Serviços[8]? Quanto desse volume de madeira (990 mil metros cúbicos) vem de áreas particulares? Teriam madeira de florestas públicas? Se comprovado que sim, que houvera exploração indevida em florestas públicas, qual é a dívida destas empresas ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Florestal, que recebe os recursos da exploração em florestas públicas?

Infelizmente, alguns processos de outorga florestal culminaram na assinatura de contratos com empresas para a exploração de madeira falhando em casos como da Floresta Nacional de Caxiuanã no Pará[9] e Flona Saracá-Taquera[10] quanto ao reconhecimento do uso legítimo da terra e dos territórios das comunidades tradicionais locais. O artigo 6º da Lei 11.284 é até hoje um dos mais valiosos da Lei 11.284 em termos de defesa de direitos dos povos e comunidades tradicionais, o qual deve ser observado e respeitado[11]. Não é justo que comunidades destas Florestas Nacionais que vivem há gerações não tenham seu Contrato de Concessão de Direito Real de Uso como no caso das famílias de Caxiuanã, enquanto que em curto prazo empresas recebem sua concessão florestal.

Em se tratando de comunidades tradicionais, além da Gerência Concessões Florestais, outra importante gerência era abrigada no SFB: a de Florestas Comunitárias. Este departamento lida com a maior área somada de florestas públicas, onde vivem comunidades tradicionais em suas reservas extrativistas, florestas nacionais, territórios quilombolas, reservas de desenvolvimento sustentável, projetos de desenvolvimento sustentável e projetos de assentamentos agroextrativistas, abrigando territórios tradicionais reconhecidos pelo Decreto 6.040/2007. Tal decreto instituiu a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais[12].  Nas Florestas Comunitárias, que somam 136 milhões de hectares, vivem cerca de 2 milhões de agroextrativistas, agricultores familiares e assentados da reforma agrária[13].  Apesar do contingente de habitantes e da abrangência, ficou esta gerência relegada à um segundo plano dentro do SFB nos primeiros 5 anos de sua criação.

O resultado mais substancial no período da Gerência de Florestas Comunitárias, como incentivadora da política florestal no país, foi a publicação do Decreto nº 6.874/09, que instituiu o Programa de Manejo Florestal Comunitário e Familiar, que conceitua esta categoria de manejo como sendo “a execução de planos de manejo realizada pelos agricultores familiares, assentados da reforma agrária e pelos povos e comunidades tradicionais para obtenção de benefícios econômicos, sociais e ambientais, respeitando-se os mecanismos de sustentação do ecossistema”.  Este marco legal permitiu que iniciativas comunitárias como as da COOMFLONA, Flona Tapajós, Santarém-PA[14], e da ACDSRA[15], Reserva Extrativista Verde Para Sempre, Porto de Moz-PA, tivessem a oportunidade de receber amparo institucional e de divulgarem ao mundo que o manejo florestal comunitário madeireiro é viável economicamente para as famílias locais, cuja relação e cuidados com a floresta são bem mais presentes do que a relação fria de negócios tratada pelas empresas.  

Com a publicação em 2012 do Decreto 12.651, conhecido como o Novo Código Florestal e de sua regulamentação por meio da Instrução Normativa MMA nº 2 de 5 de maio de 2014 , é criado o Cadastro Ambiental Rural - CAR, assim descrito na página do SFB como o “registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para todos os imóveis rurais, com a finalidade de integrar as informações ambientais das propriedades e posses rurais referentes à situação das Áreas de Preservação Permanente - APP, das áreas de Reserva Legal, das florestas e dos remanescentes de vegetação nativa, das Áreas de Uso Restrito e das áreas consolidadas, compondo base de dados para controle, monitoramento, planejamento ambiental e econômico e combate ao desmatamento...”[16].  De gestão do SFB, até 30 de novembro de 2018, a unidade verificara o cadastro de 5,5 milhões de imóveis rurais no Brasil, totalizando uma área de 469.763.245 hectares inseridos na base de dados do sistema SICAR[17].

Com a nova função e tendo como diretriz a sua prioridade de execução e gerenciamento, o Serviço Florestal Brasileiro passou a ter o CAR como carro-chefe, mais uma vez relegando-se a um segundo ou terceiro plano as atividades da Gerência de Florestas Comunitárias. Mesmo o diálogo sobre esta importante ferramenta ambiental com as comunidades tradicionais na Amazônia não foi satisfatório, haja a vista: a) a dificuldade de homologação no sistema do Módulo Povos e Comunidades Tradicionais para se fazer CARs Coletivos; b) o número de casos de grilagem de terras utilizando o CAR em áreas comunitárias, denunciados por várias entidades da sociedade civil, pesquisadores, membros do Ministério Público e jornalistas[18]; c) os primeiros casos de uso do CAR para especular sobre créditos de carbono[19]. Interessante notar que os números do SFB comprovam que dos 93 milhões de hectares de áreas cadastráveis na Amazônia, 142 milhões foram cadastrados no sistema, uma diferença a mais de quase 50 milhões de hectares que pode ser a chave do entendimento das causas que ajudaram no aumento dos conflitos agrários na região nos últimos anos.

Suas câmaras de diálogo, sobretudo a Comissão de Gerência de Florestas Públicas e o Conselho do Fundo Nacional de Desenvolvimento Florestal permitiram o debate para que houvessem avanços na política florestal no Brasil. Não se avançou a contento como se esperava talvez por falta de uma melhor comunicação com o público em geral e mesmo com parceiros institucionais como o ICMBIO e INCRA, mas lá estava o SFB, com suas ferramentas e espaços para serem ocupados pela sociedade.   Estando agora no MAPA ou, sem rodeios, politicamente nas mãos da Bancada Ruralista com seu fundamentalismo agrotóxico, como fica a discussão entorno das florestas brasileiras? Terá ironicamente o SFB o mesmo destino das milhões de árvores derrubadas pela ala mais vil do agronegócio ganancioso que não se mostrou capaz de mudar seus conceitos e práticas? Nem campanhas “agropop-tech-tudo” conseguiram apagar suas irresponsabilidades.


E agora? O que fazer?


Após a “ressaca” por tal mudança repentina e inimaginável há pouco tempo - e é preciso entender que tal ressaca deve ser imediatamente superada – chega-se a um novo momento, que deve ser de calma, reflexão e atitudes. Ficar chorando e hostilizando os simpatizantes do novo governo só irá fortalecer ainda mais as forças negras que rondam nossos recursos naturais que perceberam sua real chance de decidir a vida de milhões de pessoas e de toda biodiversidade brasileira em nome lucro máximo para poucos.

Antes de tudo, é necessário que se tenha um olhar sem preconceito para o MAPA enquanto instituição e missão. Existem iniciativas importantes que devem ser ressaltadas com relação a recuperação de áreas degradadas, que também é um dos papéis do SFB. A Lei 10.711 que instituiu o Sistema Nacional de Sementes e Mudas, o Registro Nacional de Sementes e Mudas e a Instrução Normativa 56/2011 são exemplos de regulamentações do MAPA que vão de encontro ao processo de recuperação florestal, pois garante a procedência ao ato de plantar. Mesmo que hajam críticas atuais de que a burocracia do MAPA dificulta a vida dos produtores, é importante reconhecer que é melhor ter algo para criticar do que não ter elemento algum para enquadrar os grandes produtores agrícolas quanto aos impactos causados por estes nas áreas de preservação permanente, além de ser uma tentativa de regularizar e fortalecer este ramo florestal – reposição/plantio florestal.

Outro exemplo da interação que o MAPA pode ter com o setor florestal e até da Gerência de Florestas Comunitárias são as regulamentações que versam sobre a produção e comércio de produtos da sociobiodiversidade como a castanha do Brasil, desde o extrativista até o exportador no cuidado e obediência às normas de proteção à esta espécie da flora brasileira ameaçada de extinção[20], ressaltando também que existem regulamentos para o comércio das demais espécies vegetais, como o cumaru, por exemplo.  Uma vez que o SFB está no MAPA, terá a unidade de política florestal a autonomia para trabalhar no fortalecimento de sua missão e ainda unir esforços com os profissionais do novo ministério que os abriga? Será apenas uma inerte sala misturada na imensidão de setores do Ministério?

Sobre a implementação do Cadastro Ambiental Rural e passagem para a próxima etapa, de inscrição dos cadastrados ao Programa de Recuperação Ambiental - PRA, terá a nova ministra da agricultura pulso firme, autoridade e respeito para agir de acordo com ética e responsabilidade, por exemplo, na execução do cancelamento sistemático dos CARs de má fé espalhados em todo o país, principalmente na Amazônia? Será cumprida o imperativo de se recuperar os milhões de hectares das margens dos rios e igarapés desmatados pela pecuária e agricultura? Atenderá o MAPA/SFB à birra do agronegócio que deseja ganhar mais terra do que já tem[21], desejosos da flexibilização das Unidades de Conservação, Territórios Quilombolas e Terras Indígenas? Perguntas aqui feitas para serem usadas como parâmetro de monitoramento por todos nós.


E referindo-se à participação popular, e se apostássemos no Serviço Florestal pela Sociedade Brasileira?  É esperança possível de virar realidade desde que abandonemos as irresponsabilidades cotidianas com o meio ambiente e que nos mobilizemos para pressionar e moldar as instituições responsáveis. A História está convidando mais uma vez para lutar contra atos de ignorância e violência contra a natureza. Como grita Chico Science na música “Todos estão surdos”,


Você que está aí sentado, levanta-se
Há um líder dentro de você
Faça-o falar...



O jogo não acabou com a eleição e com a posse dos novos mandatários. É apenas o começo de um processo de rejuvenescimento da massa. Temos a obrigação de sermos melhores que os nossos antepassados que deram suas vidas pelas nossas liberdades individuais e coletivas. As pessoas indignadas de hoje utilizam as redes sociais para mostrar sua insatisfação com a realidade, mas para obtermos resultados, temos que fazer com que estes protestos transbordem das redes sociais para as ruas.


Para os rios, para os igarapés.

Para as estradas de seringa.


Para as varridas.


Para os singelos atos de plantar.


Para ato de zelar e contemplar.


Para a discussão nas mesas de jantar das famílias. Que se sirva no prato o nosso amor comum por tantas florestas, tão acolhedoras ao mesmo tempo do imaginário, do real e o do sonho de vidas passadas, vidas presentes e vidas futuras.






[1] Engenheiro Florestal Consultor Socioambiental.
[2] Engenheira Florestal, MSc, especialista em manejo florestal de produtos não madeireiros.
[4] Diante da dificuldade de se adequar às normas da Lei de Gestão de Florestas Públicas, e não raras vezes para fugir da obrigatoriedade de pagar pelo uso da madeira em pé, algumas madeireiras passaram a tentar a sorte nas áreas comunitárias, pressionando lideranças a aceitarem suas propostas. O líder comunitário Antônio Izídio Pereira, de Vergel-MA, acabou sendo assassinado por suas denúncias à exploração madeireira ilegal e grilagem na sua região, episódio classificado pela Anistia Internacional como um caso clássico de “falha sistêmica do Estado brasileiro” - https://jornalggn.com.br/noticia/morte-de-lider-rural-no-maranhao-e-falha-do-estado-diz-anistia.  
[5] As concessões permitem que as explorações madeireiras usem o método de ciclo de corte, de 30 a 35 anos para se voltar para a primeira área de exploração. Interessante notar que o Estado do Pará aprovou muitos planos de manejo madeireiros sem ciclo de corte, naquilo que se chama Unidade de Produção Única – UPA Única, cujos efeitos são danosos à floresta e à geração que não verá por 3 décadas o estoque florestal madeireiro pela retirada em um só ano. Carlos Ramos analisou este trato prejudicial às comunidades florestais em https://meioambienteacaiefarinha.blogspot.com/2013/05/qual-o-manejo-florestal-comunitario-que.html .
[8] O ISS é imposto municipal cobrado sobre a movimentação de veículos que transportam a madeira, no caso as balsas, no valor de 1% a 5% da Nota Fiscal movimentada. Num exercício simplório de balcão, podemos estimar que se pagos aos cofres municipais, de 2 a 10 milhões de reais poderiam chegar à prefeitura municipal para investimento na população portelense. Quanto o município arrecada?
[9] Fiz registro neste Blog da reinvindicação das comunidades de Caxiuanã - https://meioambienteacaiefarinha.blogspot.com/2015/09/duvidas-das-comunidades-de-caxiuana_8.html
[11]Segundo o artigo 6º da Lei de Gestão de Florestas Públicas “...Antes da realização das concessões florestais, as florestas públicas ocupadas ou utilizadas por comunidades locais serão identificadas para a destinação, pelos órgãos competentes, por meio de: I - criação de reservas extrativistas e reservas de desenvolvimento sustentável, observados os requisitos previstos da Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000; II - concessão de uso, por meio de projetos de assentamento florestal, de desenvolvimento
sustentável, agroextrativistas ou outros similares, nos termos do art. 189 da Constituição Federal e das diretrizes do Programa Nacional de Reforma Agrária; III - outras formas previstas em lei...”.
[12] Sem dúvida este é um marco legal histórico que deu visibilidade aos vários grupos culturalmente diferenciados que ocupam e usam territórios e recursos naturais como condição para sua sobrevivência.  Por impedir a especulação fundiária e de projetos agrícolas de larga escala, não é à toa que a Bancada Ruralista se mobiliza para derrubar tal avanço no reconhecimento dos povos e comunidades tradicionais  - https://www.brasildefato.com.br/2018/08/21/bancada-ruralista-arma-mais-uma-ofensiva-contra-povos-tradicionais/ .
[14] A Cooperativa Mista da FLONA Tapajós (COOMFLONA) teve sua origem com o Projeto de Apoio ao Manejo Florestal Sustentável na Amazônia (PROMANEJO) - https://www.facebook.com/pg/coomflona/about/?ref=page_internal
[15] O manejo florestal praticado pela comunidade Arimum é gerenciado pela Associação Comunitária de Desenvolvimento Sustentável do Rio Arimum - ACDSRA e Cooperativa Mista Agroextrativista Nossa Senhora do Perpétuo Socorro – COOMNSPRA - http://arimum.blogspot.com/2015/10/associacao-e-cooperativa-que.html
[19] Moradores da Gleba Estadual Jacaré-puru em Portel tem relatado à Comissão Pastoral da Terra e Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Portel o caso da visita de instituições estrangeiras oferecendo relações comerciais relacionados à venda de créditos de carbono.
[20] A Castanheira é uma árvore protegida por lei. No parágrafo 29 do Decreto Federal Nº 5.975 de 30 de novembro de 2006, estabelece-se que “... não são passíveis de exploração para fins madeireiros a castanheira (Betholetia excelsa) e a seringueira (Hevea spp) em florestas naturais, primitivas ou regeneradas...”.
[21] No Atlas do Agronegócio 2018, constata-se que o Brasil é o 5º maior concentrador de terra entre os país do mundo. O Brasil tem 45% de sua área produtiva concentrada em propriedades superiores a mil hectares – apenas 0.91% do total de imóveis rurais - https://br.boell.org/pt-br/atlas-do-agronegocio.





sábado, 29 de dezembro de 2018

Crônicas, Passageiro: Começais


Terminal Rodoviário de Belém do Pará. 

Terminal.

Terminal é um nome estranho naquilo que agora enxergo. Parece mais um começo, não terminal.

Empresa de Ônibus Interestadual Boa Esperança. Ué? Existe má esperança? Do que escuto desse substantivo-sentimento, sempre é referido como aquilo de bom que há de vir. De um mundo em que 1% dos mais ricos detém a mesma riqueza financeira dos demais 99% e todo o flagelo que isso acarreta, só posso ter na Esperança o intrínseco que seja bom o futuro como obviedade.

Guanabara. Outra empresa. Palavra que significa em tupi-guarany "baía" ou "seio mar"[1], também abrangente para todo o Nordeste e não somente à baía mais famosa do Brasil, no Rio de Janeiro, raciocínio que tive a partir das rotas desta linha rodoviária, tal qual outra empresa, Rápido Marajó.

Rápido Marajó? Não recordo de tal empreendimento em minha região de origem, mas pudera, é nome comercial que pega fácil em qualquer rincão deste país, por mais que esteja longe de nossas maresias. E lá vai o Rápido Marajó para o Maranhão, Goiás, Tocantins, Minas Gerais até chegar em Campinas, destino final. Tudo percorrido em cidades dos interiores, coerente com o que é Marajoara, igarapés não, mas estradas. Gurupi, Porangatu, Rialma.

Rialma? Como se dá um nome desse pra um município? Talvez fundadores (aqui em um chute meu), no pioneirismo até de inaugurar nomes, chegaram à conclusão de que tudo estará bem no outro plano desencarnado, onde não haveria tristeza, alegre-se! Rialma! Rialma! Pronto. Achei o argumento que faltava para explicar que só pode haver Boa Esperança se alma em sua evolução sorrir, portanto, redundante aplicar à palavra que os grandes homens inspiram e proferem de suas bocas ser boa ou ruim.

Ônibus Itaperimim de Belém até Campos, passando por Salvador, terra próxima onde moram meus irmãos e minha mãe. Saudade deles, porém, uma saudade sem adrenalina neste instante. Não vou viajar. Apenas parei para lanchar uma fatia de pão caseiro, aproveitando para anotar a esmo tais linhas. Os que aqui estão na maioria a viajar certamente devem ter a saudade realmente desperta. Ou vão ao encontro de alguém, matar saudade; ou vem chegando de algum lugar trazendo saudade. Neste tempo que decorre por chão, é tudo mais mastigado, bem pior do que avião (que paira por cima da realidade, mecânico acima de tudo), nem tanto quanto viajar de barco, disso eu sei por experiência.  Olha-se para a estrada por horas, trepidantes pensamentos, amortecidos pelas lombadas e freadas, memórias do último café com seus amados amigos e parentes, a conversa, o Natal aconchegante. E também será de expectativa apreciada pela janela embaçada pela chuva daqueles que vem. Como eles estão? Emagreceu? Engordou? Tá mais velho? Se curou? Prosperou? Aquele cuscuz... hummm.

Eu, sentado, observando as placas das empresas de ônibus e as pessoas se movimentarem, permaneço nem ex-ante nem ex-post em relação aos efeitos de encontros e partidas, e sim num outro nível sentimental na percepção einsteiniana que o tempo é algo precioso.

Terminei minha merenda. Hora de partir. Para cada qual, um pedaço de Esperança eu reparto. Para os novos dias deste calendário repleto de novidade e de novas saudades.


Nunca terminais.


Começais.




Feliz Ano Novo.





quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

Natal Guerrilheiro

Belém, 19 de dezembro de 2018.


Nunca precisei tanto de Amor como neste ano

Nunca precisei tanto da Verdade como nesta época

Nunca precisei estudar tanto Jesus como nestes dias

Talvez o excesso de Velocidade me turve a visão para não compreender

Talvez o exagero de Globalidade afasta-me do meu ser

Talvez o cúmulo da Simultaneidade não me dê tempo para perceber

Pode ser que o “Amém” esteja sendo corrompido

Então o que devo esperar do Natal?

É claro que devo esperar, é sinônimo de Esperança

É a Memória da Humanidade sobre a Criança que apesar de todo mal resistiu

E a Memória é terrível aos poderosos
Pois mesmo numa manjedoura simples, a Criança nos enriqueceu de fé

Nos rememorou da Riqueza do Livre Arbítrio, prova da Confiança de Deus

Registrou-se que nasceu em Belém de Judá

Registre-se que também nasce nas quebradas de Belém do Pará

Registre-se que Ele está no Iêmen, com fome

Constate-se que Ele está no colo de sua Mãe lá no Sudão, ambos violentados

Denuncie-se que soldados O perseguem na Síria sendo Ele apenas um bebê

Manifeste-se que Ele está deitado na rede, perto de um igarapé onde há um surto de malária

Grite-se que Ele está na sua terra legítima cercado de pistoleiros

Mas tudo refere-se à Ele
Mas também tudo pode ser Ela

O Natal é acima de tudo um Dilema

Do caminho que só os Homens e Mulheres de Boa Vontade em nome da Paz farão

Devo abraçar esta pessoa com tudo que ela pensa?

Devo desejar o bem para esse senhor com todo mal que cometeu?

Devo perdoar essa senhora por mais que ela tenha me hostilizado?

Devo seguir com o sentimento de Natal no peito durante todos os dias do ano?

O Natal é um Dilema

O grande passo daqueles que percebem a Mensagem do Salvador em forma de nascimento

Nasces tu

Nascemos todos




Pronto, já estou convencido

Te desejo pelos amorosos argumentos Daquele que pelo Bem nasceu



Feliz Natal!



Pantoja Ramos

Do Recanto das Letras




domingo, 16 de dezembro de 2018

Lamberto, o Traumarizado: A Culpa não é do Amém

Lamberto, o Traumatizado estava em Macapá. Dia de chuva, deste inverno tão esticado que já emendara com o do outro ano. Frieza e frialdade se aproximando nas terras do Amapá.

No ônibus em que circulava, Lamberto percebeu levantar-se de sua cadeira um homem alto, camiseta de cor camuflada, no qual deu bom dia e perguntava quem amava Jesus.

Todos no coletivo levantaram a mão e seguiram nova indicação do dito homem, que pediu que aplaudissem Jesus.

Clap, Clap, Clap, Clap.


O Homem falou de Deus para os presentes naquele veículo trepidante, falou do pecado, da fé que precisamos ter para a salvação da alma. Lamberto avistava a rua pela janela, concordando no seu íntimo com aquelas palavras, enquanto analisava o lixão amontoado de caroços de açaí misturados às fraldas descartáveis usadas, garrafas pet, copos de plásticos. Crianças davam carambelas e corriam com seus carrinhos de bebê de brinquedo naquele monte de lixo, sobrevoadas por urubus.

Numa linha de raciocínio que mudou de rumo, Lamberto redirecionou sua atenção para as  palavras que se afastavam do contexto da fé, quando o desconhecido homem assim se pronunciou: "Nosso Brasil agora vai para melhor, pois um homem temente a Deus irá comandar a nação. Parabéns aos amapaenses como nós que decidiram em sua maioria pelo nosso capitão. Triste ver que o pessoal do Pará escolher na maioria um cara que tinha tudo pra incentivar a pedofilia!! Nós não! Nós sabemos escolher e proteger a família! Deus acima de todos, Brasil acima de tudo!"

Alguns Clap, Clap, Clap.

"Quem tem fé diga Amém!".

"Amém!", responderam a maioria das pessoas, até meio intimidadas. Mas na ordem expressa pela fé, disseram amém.

"Eu não digo amém disso!", respondeu de sua cadeira, Lamberto.

"Por que não, amado?", o homem tentou ser cortês, mas o subtom de sua voz, como diria Saramago, o traía.

"Porque paraenses e amapaenses são e sempre foram irmãos. E é muito feio jogar irmão contra irmão!".

"Bom, irmão, cada um tem a sua opinião, não é? Vivemos numa democracia, não é?".

"Eu espero que sim, sei lá, tenho dúvidas agora. Amém, irmãos?", Lamberto ironizou, numa pesquisa relâmpago se haveriam distintas opiniões sobre o assunto.

Saiu só um amém, tímido, de um menino, máximo dez anos de idade, roupinhas simples, sandálias gastas, tão leve que conseguia sentar na cuba de chopp que trazia para seu ganha-pão. 

Quando Lamberto puxou a cordinha e se dirigiu para descer, o menino com a cuba de chopp o cutucou.

"Sabes que horas são, tio?"

"São 17 horas".

"Muito agradecido. Moço, faça uma oração daqui a uma hora. Pelos amapaenses e pelos paraenses. Pela paz. Por mim".

"Tá bom". 

Lamberto desceu, viu o ônibus ganhando distância e no janelão de trás estava o menino aplaudindo em sua direção.

Lamberto, por via das dúvidas, agradeceu o menino e sussurrou:


"Amém". 







Sem traumas.